CONSIDERAÇÕES SOBRE   EDUCAÇÃO

5 de abril de 2017

Madame Samovar e o seu boa noite

Postado em Bilinguismo | Tags:, , , , , | Deixe seu comentário (0 comentários)

Mrs PottsNo filme a Bela e a Fera, foi impossível não sorrir ao ouvir Mrs Potts, ou Madame Samovar, dizer para seu filho Chip, ou Zip em português, “Nighty night”.  Sorri por serem palavras tão  fielmente comuns na maioria dos lares norte-americanos.

O discurso dirigido às crianças costuma ser, por muitos pais, modificado e caracteriza-se por um ritmo mais lento, um tom mais alto, entonação mais acentuada, sentenças mais simples, repetições constantes e ênfase nas palavras-chave. Além disso, os tópicos de conversação envolvem o meio ambiente, o aqui e agora ou experiências vividas. Durante a conversa, adultos normalmente repetem o que as crianças disseram, porém expandindo ou reeditando o que foi dito em sentenças gramaticalmente corretas. Por exemplo, quando em português a criança fala – Eu vi ela no parque.  A mãe repete corrigindo: – Ah, você a viu no parque.

Segundo pesquisa de Catherine Snow (1995) juntamente com outros pesquisadores, foi observado que esse uso mencionado acima ajuda a aprendizagem no sentido de que há uma interação ajustada ao nível de compreensão da criança. A repetição ou paráfrase vinda do adulto faz com que a criança se sinta compreendida.

Por tudo isso e mais algumas outras pesquisas, observou-se a importância dessa interação para aprendizagem da língua. A televisão obviamente não oferece essa comunicação mesmo nos programas infantis onde a linguagem também é mais simples e os tópicos relevantes para a idade.  Por outro lado, posteriormente, a televisão constituirá uma fonte de língua e cultura, porém não na fase inicial da aquisição de linguagem.

samovar

Data From: Language Learning in early childhood by Patsy Lightbown and Nina Spada



31 de março de 2017

A evolução de uma língua e seus regionalismos

Postado em Bilinguismo | Tags:, , , | Deixe seu comentário (0 comentários)

IMG_1184

Após uma viagem de estudos e lazer, vou descrever como a aprendizagem de línguas ocorre em outros países.

A Alemanha que conhecemos hoje surgiu num processo que se estendeu por vários séculos, e suas origens perdem-se no tempo. A palavra Deutschland (Alemanha) compõe-se de dois elementos: enquanto land significa terra, deutsch, que só apareceu no século VIII, designava inicialmente a língua falada na parte oriental do império dos francos, cujo  apogeu ocorreu no reinado de Carlos Magno.

Apesar desta longa existência, demorou muito para que os povos germânicos constituíssem uma única nação. Todo esse movimento unificador começou com a constituição do grande Estado franco e sua conversão ao cristianismo durante o reinado de Clóvis (481 a 511 d.C.), episódio que está ligado também à origem da França. Três séculos depois, após a morte de Carlos Magno (814 d.C.), o império começou a  desintegrar-se devido a partilhas sucessórias. Formou-se um império ocidental e um oriental – a fronteira política correspondia mais ou menos à fronteira linguística entre o alemão e o francês. E, mais uma vez, houve separação ao invés de união.

Aos poucos, os habitantes do império oriental iniciaram um processo de união. A palavra que a princípio designava a língua passou a qualificar o povo que a falava e, depois, a região por ele habitada: Deutschland. A partir desse momento, pode-se dizer que a Alemanha adquiriu uma história própria, no contexto da Europa centro-ocidental.

Apesar de territorialmente, começar a existir como um Estado, dentro da língua alemã foram mantidos vários regionalismos e dialetos tão característicos e únicos que, por vezes, parece que a Alemanha ainda é constituída por várias tribos ou estados independentes. Em alguns lugares, como na Bavária, o dialeto local é usado corriqueiramente, não apenas em casa como em outras regiões, transmitindo para quem a visita a ideia de ser outra língua. Os naturais da Região têm muito orgulho de seus costumes e língua, inclusive mantendo o ensino deste dialeto nas escolas. O que é considerado Alto Alemão é usado restritamente na região.

Neste caso, embora a raiz seja germânica, as diferenças são tantas que até parece tratar-se de outra língua mesmo.

Além da existência desses dialetos dentro das próprias fronteiras, o alemão ainda é falado na Suíça e na Bélgica com diferenças bem mais marcantes do que a diferença entre português de Portugal e do Brasil, por exemplo.

Toda esta riqueza linguística, treina o cérebro, os ouvidos e todo o aparelho fonador dos alemães para aprender línguas, pois praticamente convivem diariamente com pelo menos duas línguas: o dialeto em casa e o Alto alemão na convivência social.

Toda esta história, comprova que a crença  de que a educação  bilíngue pode atrapalhar ou atrasar a aprendizagem é apenas um mito.

 



26 de março de 2017

É importante aprender vocabulário?

Postado em Bilinguismo | | Deixe seu comentário (0 comentários)

Segundo dados do livro How languages are learned de Lightbown e Spada, acredita-se que um adulto falante de inglês conheça 20 mil palavras. Felizmente, Uma conversa cotidiana requer   o conhecimento e uso de aproximadamente 2 000. Uma boa notícia para quem está aprendendo línguas. (Imagem do livro citado p97).)

Por isso, não podemos aderir a vibe de ” não preciso memorizar vocabulário” nem ser adepto total de memorizar listas. Conhecer e ampliar vocabulário é fundamental para estabelecer uma boa conversação, porém isto não pode ser um refreador de conversações e respaldar a timidez. Estudar é importante, mas jogar-se é fundamental.

 

Lightbown e Spada

Lightbown e Spada



18 de março de 2017

Escolas Bilíngues: como trabalham

Postado em Bilinguismo | | Deixe seu comentário (0 comentários)

 

17211946_10212151972625371_8341564974830937444_o (1)

Uma entrevista no primeiro bloco do programa sobre Bilinguismo: como funcionam e objetivos:

 

 



4 de outubro de 2016

Na prática

Postado em Bilinguismo | Tags: | Deixe seu comentário (0 comentários)

Um pouco mais sobre o Bilinguismo na prática, copie e cole o link:

 

http://www.recordlitoral.com/site/videos-play.asp?video=0926_EBG_IMPORTANCIA_IDIOMAS&programa=BALAN%C3%87O+GERAL&data=26%2F09%2F2016&titulo=Bil%C3%ADngues+podem+ganhar+at%C3%A9+60%25+a+mais



Falando sobre Bilinguismo

Postado em Bilinguismo | Tags:, | Deixe seu comentário (0 comentários)

Que tal ouvir sobre Bilinguismo e ver na prática como funciona?

Copie e cole o link:

Bilinguismo na prática



27 de setembro de 2016

Pais falando com filhos

Postado em Bilinguismo | Tags:, , | Deixe seu comentário (0 comentários)

Catherine Shaw (1995) e outros pesquisadores têm estudado os efeitos da maneira como os pais falam com os filhos na aquisição da linguagem. Pesquisadores observaram, que em família, os adultos tendem a modificar a maneira como falam ao dirigir-se às crianças. Este discurso é caracterizado por um ritmo mais lento, intonação mais pausada, tom de voz mais alto, sentenças curtas, repetição constante e paráfrases.

Este estudo demonstrou que essa atitude em relação ao aprendizado da língua não é igual em todos os grupos sociais. Em algumas sociedades, os adultos não interagem  com crianças em termos de estabelecer diálogos. Em certos grupos na África, espera-se que a criança apenas observe  e ouça. Crianças não são motivadas a participar de conversas até que tenham desenvolvido habilidades verbais.

Apesar dessas diferenças inerentes a cada cultura ou  grupo sócio-econômico ou cultural,  em toda sociedade as crianças estão em situações nas quais escutam a língua em um ambiente  contextualizado e adquirem competência na comunidade linguística a que pertencem. Por isso, é difícil julgar o efeito causado pelas modificações no discurso direcionada a crianças.

Fonte How languages are learned by Patsy M. Lightbown and Nina Spada14389739_10210394207402339_164320426_n



Olimpíadas e treino

Postado em Bilinguismo | Tags:, , | Deixe seu comentário (0 comentários)

A chave para aprender uma nova habilidade é dedicação, pois através do treino o inconsciente registra ações, sons e movimentos. Se dependêssemos apenas do consciente, ele não daria conta de analisar as situações, fazer a escolha do vocabulário e estrutura adequados para comunicar a mensagem. Na mesma linha de pensamento, o neurologista Ran Hassin afirma que “o inconsciente é mais maleável que o consciente e para influenciá-lo é necessário praticar até que se torne uma segunda natureza, ou seja que seja um processo automático.”

Por isso, a imersão que as escolas bilíngues propõem é eficiente no sentido de automatizar a utilização da segunda língua. Porém, isso não quer dizer que a dedicação ao estudo seja desnecessária por parte dos alunos. Lembrem-se dos atletas nas Olimpíadas, quanto maior a quantidade de horas de prática, melhor a performance.medalhista



27 de setembro de 2015

Aprender uma língua sozinho? É possível?

Postado em Bilinguismo, Destaque | Tags:, | Deixe seu comentário (2 comentários)

Há várias teorias que defendem que  no desenvolvimento da pessoa estão presentes duas linhas de desenvolvimento que se entrecruzam: o desenvolvimento biológico (ou natural) e o desenvolvimento cultural. Isso significa que o  ser humano  constitui-se através das relações sociais e pela ação do trabalho. Vygotsky  salientava que o modo de pensar e agir do sujeito desenvolve-se a partir das interações sociais e culturais que ele estabelece com o meio que o cerca.

Hoje há um consenso que, quanto mais a criança tiver condições de estabelecer interações com o outro, com o seu entorno físico e sociocultural, maior será seu potencial de desenvolvimento e aprendizagem.

Todo este preâmbulo serve apenas para demonstrar que para aprender uma língua é necessário haver comunicação logo, interação. Entretanto, há algumas coisas que podemos fazer para melhorar  e aprofundar o conhecimento:

  1. Leitura de revistas e textos em geral: este hábito  amplia o vocabulário e ajuda a pensar em língua estrangeira, sem mencionar a questão cultural e o modus vivendi. Uma língua só existe agregada ao seu contexto sócio-cultural.
  2. Música: ouvir música desenvolve a percepção sobre  o ritmo das frases, pronúncia e  vocabulário.
  3. Filmes com som e legenda desenvolve a habilidade de compreensão auditiva e  colabora para a memorização de novas expressões.

O importante é o contato constante. Costumo dizer aos meus alunos que é necessário estudar todos os dias pelo menos por dez minutos.

Seguindo meus próprios conselhos já sou capaz de traçar um grande diálogo em alemão:

- Gute Nacht!

-Danke!

Ou:

-Essem auf dem tisch.

-Danke.

Ou ainda:

-Für dich

Ah, tem mais uma:

-Ish bin zuhause.

Bem, não é muito grande, mas tem sido um aprendizado muito agradável!

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA



7 de setembro de 2015

Uma nova língua em família

Postado em Bilinguismo | Tags:, | Deixe seu comentário (0 comentários)

Ensinar inglês num país com uma cultura que sofre tamanha influência americana é uma tarefa relativamente fácil, pois muitos vocábulos fazem parte do cotidiano dos brasileiros. Este assunto costuma, inclusive, ser discutido na primeira aula de um curso de inglês como forma de demonstrar que não é uma língua completamente estranha aos brasileiros. Porém, como ensinar português para alguém que fala alemão?

Aquela sugestão clássica de etiquetar toda a casa foi seguida, porém como estudiosa de línguas pedi que meu filho colocasse as correspondentes palavras em alemão.

Em casa, misturamos as três línguas: português, alemão e inglês. Mas, como adultos aprendem um novo idioma?

Como professora, vejo que as crianças sem medo, totalmente abertas para o novo, aceitam, repetem sem constrangimento e sem perguntas..simplesmente vão absorvendo o que lhes é oferecido. Por isso, digo e enfatizo, as crianças têm que ser expostas a tudo e a um pouco mais. Professor, fale inglês o tempo todo, mostre, crie um ambiente propício,  exponha. A criança absorve tudo e aprende como a primeira língua.

E o adulto? Este questiona, pergunta e compara. Com noções de como funciona sua primeira língua, compara e aprende pelas similaridades e diferenças das estruturas. Segundo estudiosos, a criança consegue uma pronúncia muito próxima do nativo, por outro lado, o adulto alcança uma correção gramatical muito maior. O importante em tudo isso é não desistir e levar com bom humor…mas preciso confessar o som do R em alemão é quase impossível para mim!!!! Deseje-me sorte!
OLYMPUS DIGITAL CAMERA



Categorias

Tags

50 tonsA bela Adormecidaa deusa interiorA lei da Afinidadea vida nua e cruaABela e a Feraabraçoação do coraçãoácarosacusaçõesAdam J. Kurtzadaptação na escolaadjetivosadministrando o tempoadmirável mundo novoadolescentesaduboaeroportoAldous HuxleyalegriaAlemanhaalfabetizaçãoAlice no país das maravilhasalimentaçãoAlsacealternativasamareloamigosamor caninoamplemannanjoanjosAnorexiaansiedadeAntonio ManzioneAPAEapelidosaprendendo a esquiaraprendendo a falaraprendendo alemãoaprendendo portuguêsaprender alemãoaprender idiomas.aprender línguasaprender outra línguaAquarelaaromasAromaterapiaArquimedesarrumaçãoarrumarartigosAT Revistaatendimento ao telefoneatrasosatravessar a ruaatualizaçãoaula de história para criançasaula para criançasaulas de educação físicaaulas de inclusãoaulas para estrangeirossautismoavaliaçãoavaliaçõesaviãoazulbagunçabalançabalançobancosbanheiro. ida ao banheirobanho imersãobarreirasbarulhosbateriasbatonsBaváriabebêsBeethovenBela adormecidabem sucedidoBerlimBgbíbliabibliotecabilinguismoBilinguismo tv recordBilnguismoblog da Oxfordbolinho de chuvabolsaborboletabordadoBranca de neve modernabranquinhobrigaBriga entre irmãosbrincar de rodabrinquedosbruxasBulimiabullyingbuscar filho de pijamacabcabidescabrascachorrocafécafé da manhãcafé da tardecair e levantarcaixa eletrônicoCambridgecãmeras de segurançaCamõesCanyon BrasileirocapoeiraCarlos Drummond de Andradecarro erradocarro novocarro que não pegaCartacartascartõescasteloscelularcenourascérbrocérebrocertificadocervejaCésarcéucéu abertochá das cincocheiroschoque culturalchoroChristian BarbosaciclosCientistascinco sentidoscinquenta tons de cinzaclarãocoachingcoisas de mãecoisas quebrndo em casacolcha de retalhoscoleçãocomidacomo escolher uma escolacomo não esquecer das coisascompartilharcompetitividadecomplexocomprascompras coletivascompras onlinecompreender as mulheresComprometidaconcentraçãoconfraternizaçãocongressoconscienteconsistênciacontascontos de fadacontrole de pesocontrole remotoconversar com homensconvitesconvivência familiarcoordenação motoracorescorreiocorrer atráscorrupçãocortar-seCortellacozinhando em famíliacozinharcpflcrendicescriança choronacriançascrianças cristalcriando hamsterscriatividadecristalcríticacríticascrizeiroscromoterapiacrônicacrossing linesCruzeiroscruzesCrystal Symphonyculináriacurriculum vitaecurso de extensãocursoscursos extrascuttingCVdanças circularesdecorardefiniçãodeixa a vida me levarDemidepressãodesculpasdesempregodesmotivaçãodespedidadesvantagens do extrovertidodia das criançasdia das mãesdiáriodias de chuvadicasdicas para estágiodificuldades de aprendizagemdiplomaDislexiaDisneyditadoDivergentedois mesesdormirDownton AbbyDRDra Ellen BialystockDra Ellen BislystockEADeconomiaeducaçãoEle simplesmente não está a fim de vocêeleiçõeselevadorElizabeth Gilbertelogioelogiosem RomaEmagreceremoçõesemojisemoticonsempregadoempregávelempregoemprestar livrosenergia negativaenfurecer um estrangeiroensinarentrada em bancosentrevistaenvelhecerenvelhecimentoEric R Kandelerrorexerroserros. MalévolaervasEscola de princesasescolas bilinguesescolas públicasescorregadorescreverEspecialistasespiritismoesquiarestação de skiestacionar no conhecimentoestudando em casaestudarestudo do meioestudosEurekaexamesexchangeexemplosexercitarexpectativa de professoresexperiênciasExperimento de Rosenthalextroversãoextrovertidofalar com meninosfalta de tempofamíliafasesfatores motivacionaisfaxinaFEIfeijãofeijoadafeijõesfelicidadefériasFernando TorquatoferrofestaFGVficando independentefichasfilho pródigofilhosfilhos crescemfilhos e filhasfilhos e trabalhofilhos oufilhos saindo de casafilosofarfilosofiafim de anofinançasflashcardsflor azulfocofomeformigasfórmulasfrases para viagemfrustraçõesfurãogaleriagangorragarantido e caprichosoGardnerGato de CheshireGBgeléiagenéticageografiagestaçãogestão de pessoasgol begeGolemanGordon ShawgravidezgritosguaranáguardaGuimarães RosaGustavo Cerbasihábitoshábitos brasileiroshackerHarrodsHarry PotterHeidelbergHelen BuckleyHérculeshistóriahistória das pedrashistória em quadrinhoshistória recentehistórias de frustraçõesHofbrauhaushomenagemhora de dormirIçami TibaicebreakerimigraçãoimitaçãoimpostosimpulsoinclusãoinconscienteindigoinfânciainflaçãoInglaterrainsightinstintoInsurgenteinteligência emocionalintercâmbiointercâmbio em casaintercambistasinterdisciplinaridade.internetinvejainvestigaçãoirmãosIsaac NewtonItaimbezinhoItáliaJapãojardinagemJay AsherJeffersonianjogo de memóriajogos na educaçãojovenslanche saudávellanches escolareslaranjalatimleiituraleituralembranças da infâncialenda do porco espinholerLewis CarrollLi WEElição de casaliçõeslições para sempreLifelimiteslíngua estrangeiralinguagem de criançalinguagem familiarlínguaslivro e filmelivrosLondresLondres em um dialsaber erLuiz Alca de Sant`Annaluzes de natalM&Mmaçã azulmãemãe e filhamãesmais ou menosmalasmandalasmaniasmaquiagemmariposamassaMatemáticamaterial escolarmau olhadomedomedo de crescermedo de mãemedo de voarmemóriaMemorial do Holocaustomemorizarmeninos emeninasmensagens genéricasmentes criadorasMergulhomesencéfalometasmeteorosmétodo fônicométodos para aprender línguasMetrôMiamimiolomissão cumpridamitosmitos alimentaresmodamoedamotivando os filhosmotivating studentsmovimento escoteiroMozartmudançasmulheresmultilinguasmundo realMuniquemuromúsculosmuseuMuseu da Farmáciamúsica de fundonascerNatalnavionetflixneurologistasNeuschwansteinnighty nightninho vazioNomofobianotas baixasnotas escolaresnova línguanova ortografiaNova Yorknúmeroso que as mulheres queremo que queremOABobediênciaobras sociaisobrigações dos paisonlineONUOração de São Franciscoordem das coisasorganizaçãoorganização de tempoos 13 porquêsotimismooutonoovelha negraovopaispais e filhospalavraspalavras mágicaspãopapéispapo de mulherpapo modernoparábolasparquepassarinhopasseiopassos da elaboração de uma questãopassos de uma aulaPaulo CoelhoPaulo Freirepedraspenetrapensarperguntasperguntas na escolha da escolaperigospersonalidadepés de feijãopesquisasPeter Panpinoplanejamentosplanilhaplateaupoderpokemonpokemon gopolegarespontualidadepop-up dispenserPortugalpós estudosPprofissãoprancha de surfprazerprazospreconceitoprenúnciospresentepresentespresntepressaprimeiro dia de aulaprioridadesprojetoprovasprovérbio portuguêspsicólogosPuccapular corda.pulseiraquarto de adolescentesquartosQuestões do coraçãoquestões em brancoquintalranzinzarecados para uma filha; revelaçõesreceitareceitas de boloredaçãoredaçõesredes sociaisreforço positivorelacionamentosremédioresiliênciareunião de condomínioreunião de paisreunião pedagógica; Tarja Brancarevelaçõesrevisão de provaridículoritalinaRobert WongRoberto Shinyashikirodarolinho de lagostarotinarótulosruasala de esperasaudadesaudadessaúdeSavernesconesseduçãoseguradorasegurança na saída da escolaseleçãosemáforosementesSempre nas nuvenssentimentossentimentos negativosser felizsérieséries de tvsete anõesShawsilábicosimplicidadeskiarskypeslacklinesmatphonessolidariedadesonhossouvenirsSteve JobsStrasbourgsubwaysucessosuper proteçãoTaiwantamanho.bijuteriastarefa dos paistarefasTarja BrancaTDATDAHTEAtécnica para vencer o medotécnicas de aprendizagemtécnicas de despedidatecnologiatempotempo livretempo voaTerezinha Riosterrateste de aptidãotestestexto criativotextos perdidos.The Bilingualism ReaderThe walking deadtimidezTOCTony Bellottotopo da montanhatortastrabalhandotrabalho do professortrabalho em grupotrabalhos escolarestreinamentotreinamento para alegriatreinotrematributotrigotristezastudo passatvuma família grandeundergroundvantagemvantagens de ser bilinguevencendo a timidezVencendo o TDAHvencer o medoventiladorverbas.verdevermelhovestibular. estudarviagemviagem a Londesviajarvidavida de mulhervideo classvinagreviolãoviolênciaviolinovirusvisãovítimavivovizinhosvoovovósWashington Olivettowhat´s appwow

Arquivos